Arriba!!!

Daí que ontem depois das 12 badaladas, cá estou eu navegando na rede mundial de insones quando o Mexicano me chama. Claro, começa com o papo de sempre, ‘oi, tudo bom?‘ mas não demora muito prá conversa esquentar.

Mexicano tem o mórbido prazer de me torturar.

Ele estava de mau-humor. Estava cansado, desgastado com a loucura do dia-a-dia, trabalho, facul, tudo junto. Começou numa de reclamar e eu tentei colocá-lo prá cima (bom, no sentido mais fraternal, fazer o quê, neam…?). Então ele começou a elogiar, falando que estava grato por eu ter melhorado sua noite. Falei: ‘eu tenho que ser boa em alguma coisa!’

Aí foi que a coisa começou. Ele afirmou que vê em mim muitas outras qualidades – observadora, meiga (ohh), esperta, inteligente, extrovertida, e por aí vai, fez uma lista – e partiu prá um rumo um pouco mais provocante.

Bom, tive que me retirar do papo às 2 da matina, porque já tava bocejando. Mas tive que prometer que ligaria, tive que prometer que aceitaria convite prá sair, além de ter que desligar minha imaginação fértil por causa do que o danado falou, papinho pimenta, saca?

Prá esta semana, guacamole! Hahahahaha!!!

Anúncios

Do Avesso

Vira e mexe eu me viro do avesso, mostro tudo, aqui ou no Pérolas.

Hoje assisti os dois filmes “Bridget Jones”. Putaquepariu. Cara, é impressionante como o danado do filme tem o poder de se encaixar direitinho na vida da gente. Bicho, eu me vejo. Me vejo na calcinha grande, nos copos de vinho virados depois de alguma mancada, nos cigarros mesmo sem vontade, nas trapalhadas na cozinha.

Mas toda vez que vejo esses filmes, ganho uma injeção de ânimo. A personagem é autêntica, tem autoestima variável como toda mortal, e sonha mesmo, com fé, com aquele amor incrível.

Eu tenho uma coisa meio BJ. A começar pelos diários, que sempre gostei de escrever, desde a adolescência. Os blogs me fizeram retomar o hábito. Só que ao contrário dela, eu ainda não encontrei um advogado, ou quem quer que seja, que “goste de mim do jeito que eu sou”.

Já declarei várias vezes que tenho um carinho em especial por uma pessoa, algo que nunca vai se acabar, mas que também nunca vai se concretizar. Então, conservo esta história o meu coração e me permito viver um monte de coisas. E também me permito buscar minhas histórias.

Daí que um par de olhos verdes me chamou atenção de um jeito especial. Daí que eu e minha alma Bridget ficamos fantasiando como seria estar com ele. Hahahahaha, me lembro quando ela imagina se casando com Hugh Grant. Bom, eu não chego a tanto, mas eu confesso, fico pensando.

Eu fico me policiando, porque eu não quero meter os pés pelas mãos como ela, fazer tantas trapalhadas. Mas que eu invisto, isso eu invisto! Hahahaha, depois descrevo o lance todo.

Hasta!

E a saga com os otários continua…

Lá no PD certa vez comentei sobre o lance do Engenheiro que se perdeu no meu decote e comentou que nunca tinha ficado com mulher peituda porque não gostava (leia aqui).

Pois é, eu, boazinha que sou, acabei ficando amiguinha da peça rara. Trato bem, já pedi ajuda, ele trabalha numa empresa que presta assistência técnica para equipamentos hospitalares. Ele até consertou meu nebulizador sem cobrar.

Só que minha amnésia é seletiva, tem coisas que eu esqueço, outras nunca apago da memória. E lembro que eu liguei, que eu chamei pelo msn prá sair, pegar um cineminha, tomar vinho, fiz de tudo. O cara sempre saía pela tangente. Resolvi desistir, que não tenho sangue prá ficar correndo atrás de ninguém toda vida.

Daí que domingo (é, tô atrasada), vi que ele tinha colocado uma mensagem no msn dele: “febril”. Educada que sou, perguntei o que tinha acontecido.

– Tô gripando

– Puxa, estimo melhoras

Ao invés de falar “muito obrigado” o mancebo resolveu que dava prá dispensar sua chance de ficar quieto naquele domingo chuvoso e disparou:

– Tô precisando de uma enfermeira prá cuidar de mim… (vocês sabem, eu sou enfermeira)

Aaaaaahhhhhh, pediu!

– Conheço umas pessoas que fazem home care. Se souber de alguém que esteja disponível, te comunico. Aí te passo os valores, que não sei o quanto estão cobrando.

Toma toco, otário…

Toma toco, otário!

Eu já falei prá meio mundo mesmo, então não vou ficar de nhénhénhé. Eu tenho um perfil no ParPerfeito. Nunca me rendeu nada, só conheci um cara, com jeito de viado, que Aba insiste em dizer que é “jeito de filho de avó”, tipo, menino criado cheio de mimos.

Tá, daí que certa vez um corretor de imóveis bonitão, 1,92, resolveu me mandar recado; começamos um papo via msn, até que ele me convidou prá jantar. Trocamos telefones, nos falamos uma única vez e marcamos a data.

Claro que no dia a peça rara não telefonou antes como combinado, então eu sabia que não ia rolar nada. Saí naquele dia, fui me divertir e esqueci o lance.

Uns dias depois, no msn, puxei assunto e recebi um “estou namorando, por favor, não entre mais em contato”. Tá, deletei o contato do msn, deletei o celular da agenda e pronto.

Fiz um perfil no Facebook há uns 2 meses, e um belo dia recebo um convite dele. Eu confesso, eu sabia que era ele, mas me fiz de desentendida. Como eu custei muito prá aprovar a adição do contato, ele me manda a mensagem:

– Por que está chateada comigo?! Estou igualzinho a vc. bjos

Ao que respondi:

– O? Chateada? Mas eu nem te conheço…

Tá, pode ter sido idiotice minha, mas quer saber? Eu não tinha que ficar de gracinha com ninguém mesmo não.

Hoje ele respondeu:

– Não conheceu porque vacilei e não te levei prá jantar, mas nunca te ignorei. E é isso que você quer fazer? Ou é rancor?

Aaaaahhh, pediu! Tasquei:

– Ah, sim! Nossa, é você? Bom, não estou ignorando ninguém, sempre adotei a idéia de que não tenho que aprovar na minha rede de amigos pessoas desconhecidas. Mas agora que já sei quem é, não há problema algum. Quanto à questão do jantar, não ficaria com rancor por ter levado um bolo, essas coisas são esperadas nesses tipos de contato. Me mantive longe de qualquer contato por considerar a postura mais correta, uma vez que, da última vez que nos falamos, você disse que estava namorando, e que este inclusive teria sido o motivo de nunca termos saído. Se bem me lembro, foi por msn, e você encerrou a conversa com um decidido “tchau, não entre em contato, estou namorando”. Então eu não entrei mais em contato, oras! Adoraria ter companhia, claro, mas daí ficar mendigando atenção é um pouco demais, né? Fora que não é meu objetivo interferir no relacionamento de ninguém, eu não quero atrapalhar a vida dos outros. Já fizeram isto comigo e sei como é ruim.
Quanto à aprovação do facebook, está aprovado.
Abraços,
Loredana.

Bom, não satisfeito, ele entra no facebook e chama pro bate-papo:

– Oi, estou lendo sua resposta aqui… Boa postura a sua, concordo plenamente

– Então não há o que me cobrar, certo?

– Certo.

– E espero honestamente que essa conversa não lhe cause problemas e mais, que não ME cause problemas

– Fique tranqüila, não causará problema algum.

– Folgo em saber. Preciso ir. Bom feriado.

Quer saber? Eu continuo precisando muito de uma chamada no canto da parede, mas eu não vou me meter em confusão com gente comprometida nem ficar aceitando migalha de atenção.

Ainda tenho dez dedos nas mãos…. Hahaha!!!

Vá à merda, meu caro…

A gente se conheceu por meio de um amigo em comum. Um dia nos encontramos na rua, ao sabor do destino, porque ao acaso não existe. Eu estava puta da vida com um bolo de um encontro, estava indo embora, tomando a última cerveja quando ele chegou em me cumprimentou. Como eu disse que já estava de saída, ele pediu prá esperar, nós conversaríamos um pouco e ele me levaria de carro, afinal estava chovendo fino, e ele também queria ir embora logo.

Ao chegarmos à minha rua, claro que rolou algo. Claro que a gente passou 2 horas dentro do carro. E o mais legal é que eu, espevitada que só, esperava um avanço dele, mas ganhei um comportamento incrível, de respeito. Achei um barato ficar de beijinho no carro e não ter que me desvencilhar de mãos audaciosas. Achei divertido mesmo.

Mas nós nos distanciamos em algum ponto, não sei onde. Ele viajou, quando eu liguei, disse que me ligava quando voltava. Mas não ligou. Nos encontramos uns 2 meses depois, e ele estava namorando. Fiquei sem respostas, fiquei de cara, mas fiquei na minha.

Eles ficaram noivos um ano depois. E uns meses depois terminaram, por diferenças irreconciliáveis.

Eu cheguei a comentar aqui a história.

Sexta-feira eu saí com meu irmão. Ao ir encontrá-lo, passei por uma mesa onde a pessoa estava. Cumprimentei, ele me olhou de cima embaixo, virou de lado e continuou a conversa animada com a loira bem maquiada, de salto 12 e magrela na mesa : “vou fazer minha festa de aniversário este mês, atrasada, mas faço questão det e convidar. Você vai gostar do pessoal, um sambinha bom de raiz…”.  Cumprimentei o amigo ao lado, que levantou, cavalheiro, deu beijo, abraço. Me desculpei por não ter ido ao show da banda dele, e lancei de novo um olhar prá pessoa. Recebi um “oi” amarelo.

Mais um baixinho feio, barrigudo e careca que me esnoba. Curioso, deste eu gostava. Não como quem ama, mas gostava. Ele tem um riso solto, e eu sempre achei que havia uma coisa de ser parecido entre a gente. Ele não é o grande amor da minha vida, este está em outro estado, e ignora por completo todas as minhas declarações, o que me faz apenas guardar meu sentimento no coração prá virar história romântica prás netas. Mas eu curtia essa pessoa pacas.

E ele se dá o direito de fazer pouco caso de mim? Por causa de uma loira que depois que ele saiu ficou lá na mesa,  paquerando descaradamente todo mundo?

Vá à merda, meu caro…

*****

Tomara que acontecese com ele o que aconteceu com um amigo da minha amiga. O cara conheceu uma mulher na boate, aquela que todos os homens estava querendo. Linda, cintura fina, bunda empinada, peitão enchendo o decote. Mas ele foi o sortudo, ele pegou a mulherona.

Foram pro motel. Ele não ia ser besta de passar a noite com aquele boeing sem aproveitar ao máximo. A noite estava só começando…

Preliminares. Sutiã no chão. Sutiã com bojo formatado no chão. O decote ficou vazio. Ao apalpar a preferência nacional da moça, a textura intrigou-lhe. A calcinha tinha enchimento! Sim, aquelas que se vendem na revista da Avon! A cinta que modelava a cintura também foi difícil de tirar, era superapertada.

Mas trabalho mesmo foi fazer o pau subir prá manter a honra… E fazer valer a grana da suíte de primeira que ele pagou pro “mulherão”

Cambada de idiotas…

Vão à merda, meus caros…

Rasgando o Verbo

Eu vou falar muito rasgado: EU TÔ PRECISANDO DE SEXO! Sim, precisando de uma espremida no canto da parede, uma noite das beeem agitadas, de deixar canseira, de tirar o fôlego.

Eu preciso de algo prá relaxar porque ando tendo uns faniquitos esquisitões. Preciso de alguém que encare meus oitenta e poucos quilos sem reclamar.

Almodóvar tinha que me conhecer agora, eu daria um filme e tanto.

Ai de quem vier de piadinha! Vou mandar enfiar o dedo no cu, no seu cu, e rasgar.

Uma vez vi um filme, “Sob o Sol da Toscana”, em que uma norte americana se muda pra Itália e resolve reformar uma cas antiga prá morar. A casa dá “n” problemas e certa vez o corretor dela, chamado às pressas, lhe respondeu: “se eu não fosse casado, consolva a senhora dessa crise nervosa”. Pois é, eu prciso ser consolada, mas dispenso acessórios, eu quero a coisa in natura.

Dá prá dimensionar a situação?!

34

Dia 27 de outubro eu fiz 34 anos.

E continuo solteira na Ilha.

Isso é tudo.